Artigos Científicos

9 - TECH HAND SURGTechniques in Hand & Upper Extremity Surgery

•    Corrective Osteotomy After Damage of the Distal Radial Physis in Children: Surgical Technique and Results.
Techniques in Hand & Upper Extremity Surgery. Volume 15, Number 4, December 2011.
Ricardo Kaempf de Oliveira, Pedro J. Delgado Serrano, Alejandro Badia, Marco Tonding Ferreira.
Distal radial physis closure in children can develop severe wrist deformity (radial shortening). These patients can be treated using a single-step surgery. It was carried out in the form of a corrective osteotomy adopting the volar approach, with fixed-angle volar plate fixation and bone grafting from the iliac crest. There have been few descriptions of the use of this technique in the management of deformities related to early epiphysiodesis in distal radius. The use of fixation systems for the radius, using fixed-angle locking plates, allows radius lengthening adjusted to demand after osteotomy, using the combination of the plate and distal locking pins as spacer—with customsized tricortical iliac crest grafting within the defect. The freeing of soft parts such as the dorsal periosteum and brachioradialis muscle tendon allows adequate bone lengthening in a single-surgical step. Key Words: epiphysiodesis, distal radius, osteotomy.
Os autores detalham a técnica de osteotomia distal do rádio em crianças pós lesão fisária.
www.techhandsurg.com
Tech Hand Surg 2011;15: 236–242
[ DOWNLOAD ]

ActualidadActualidad en Cirugía de Hombro y Codo

•    Abordaje exhaustivo del tratamiento quirúrgico de la epicondilitis lateral del codo.
Actualidad en Cirurgia del Hombro y Codo.
Ronaldo dos Santos Carneiro, Ricardo Kaempf de Oliveira
Resumen
Antecedentes: El dolor a nivel del epicondilo lateral tiene varios orígenes posibles.
Objetivo: Los autores presentan un enfoque para el tratamiento quirúrgico que contempla todas las posibles fuentes del dolor, a fin de obtener resultados más previsibles. Diseño del estudio: Estudio retrospectivo de series de casos.
Método: Las historias clínicas de 19 pacientes que fueron sometidos al procedimiento fueron revisadas retrospectivamente. Se envió además un cuestionario a tales fines.
Doce pacientes respondieron y se presentan los resultados.
Resultados: El promedio del score de dolor disminuyó de 8.46/10 a 1.46/10. Las actividades de la vida diaria se vieron muy mejoradas. Once de los doce pacientes tuvieron resultados buenos a excelentes (92,3%) el resto presento resultados regulares (7,7%). Los doce pacientes manifestaron que se realizarían nuevamente el procedimiento en caso de encontrarse.
Os autores detalham a técnica e os resultados dos pacientes tratados de forma cirúrgica para a epicondilite lateral do cotovelo. Dando ênfase na possível associação com a compressão do nervo interósseo posterior.
[ DOWNLOAD ]

traumaRevista Trauma – Fundación MAPFRE

•    Fractura-luxación radiocarpiana transestiloidea con luxación dorsal de la articulación radiocubital distal asociada: caso clínico y revisión de la literatura
Trans-styloid radiocarpal fracture-luxation with associated dorsal luxation of the distal radioulnar joint: clinical case and literature review
Delgado PJ, Kaempf de Oliveira R, Fuentes A, Sanz L, Abad J M.
Resumen
Introducción: Presentamos un caso de luxación dorsal de la articulación radio cubital distal (ARCD) que asociaba una luxación radiocarpiana con fractura de la estiloides radial y se revisa la bibliografía publicada sobre el tema.
Caso clínico: Un varón de 28 años presenta una luxación dorsal (ARCD) con fractura de la estiloides radial y luxación radiocarpiana. No se objetivan otras lesiones asociadas. Se trata mediante reducción cerrada, fijación percutánea con agujas de Kischner y yeso cerrado por encima del codo.
Resultados: A las 20 meses se encuentra sin dolor y con un rango de movilidad completo en codo y ambas muñecas. No ha precisado nuevas cirugías y presenta signos leves de inestabilidad escafolunar que no han necesitado tratamiento posterior.
Conclusiones: La luxación de la ARCD es una complicación infrecuente de las fracturas de alta energía de la muñeca. La combinación de luxación RCD y fractura-luxación transestiloidea de la muñeca es excepcional y los autores solo hemos encontrado un caso similar publicado.
Os autores apresentam um caso de fratura-luxação rádio-cápica associada a luxação da articulação rádio-ulnar distal.
Palabras clave: Fractura, luxación, muñeca, radiocubital distal.
[ DOWNLOAD ]

•    Evaluación de la fisioterapia precoz en las fracturas de la extremidad distal del radio tratadas mediante placa volar de ángulo fijo
Evaluation of early physical therapy in distal radius fractures treated with fixed-angle volar plate.
Souza da Luz L, Maisonnave Raffone A, Kaempf de Oliveira R, P. J. Delgado Serrano.
Resumen
Objetivo: analizar el resultado funcional de la fisioterapia precoz en pacientes con fracturas de la extremidad distal del radio (FEDR), tratados mediante placa volar de ángulo fijo (PVAF).
Material y método: estudio prospectivo de 20 pacientes (61 ± 16 años de edad) con FEDR, tratados con PVAF y fisioterapia precoz que fueron valorados a los 60 y 120 días de la intervención, analizando los datos demográficos (sexo, edad y dominancia), datos relacionados a la fractura (clasificación de Fernández), datos funcionales
(amplitudes del movimiento, fuerza de presión y pinza) y la funcionalidad mediante el cuestionario DASH. La muñeca contralateral se utilizó como control.
Resultados: el tratamiento fisioterapéutico precoz demostró un aumento significativo (p< 0,05) de la amplitud del movimiento y fuerza de presión, comparando las tres evaluaciones. El movimiento de pronación no presentó diferencias entre la segunda y la tercera evaluación. Comparando la primera y la segunda evaluación de la muñeca fracturada con la muñeca contralateral (grupo control) encontramos diferencias significativas que desaparecieron en la tercera evaluación. La puntuación del cuestionario DASH mejoró significativamente.
Conclusión: La tercera evaluación se aproxima a la normalidad por lo que el tratamiento rehabilitador precoz en pacientes con FEDR tratados con PVAF permite retornar a las actividades de forma más rápida.
Os autores apresenta os resultados do uso do protocolo de reabilitação precoce no tratamento das fratura do rádio distal fixadas com placa volar de ângulo fixo.
Palabras clave: Fractura distal radio, placa volar, fisioterapia.
[ DOWNLOAD ]

•    Osteotomía correctora tras lesiones de la fisis del radio distal en niños: técnica quirúrgica y resultados
Corrective osteotomy following damage of the distal radial physis in children: surgical technique and results
Kaempf de Oliveira R, Delgado Serrano P .
Resumen
Se presentan dos casos de cierre de la fisis distal del radio en niños que desarrollaron una deformidad grave de la muñeca (acortamiento del radio >2,5 cm). Fueran tratados quirúrgicamente en un solo tiempo mediante osteotomía correctora por vía de abordaje volar, fijación con placa volar de ángulo fijo y aporte de injerto óseo de cresta iliaca. Tras un seguimiento medio de 18 meses, ambos pacientes se encuentran asintomáticos y sin deformidad aparente. Son pocas las descripciones del uso de esta técnica en el tratamiento de las deformidades por epifisiodesis precoz. El uso de sistemas de fijación para el radio con placas de bloqueo de ángulo fijo permite alargar el radio a demanda tras la osteotomía, utilizando el conjunto formado por la placa y clavos de bloqueo distal como espaciador, y así colocar el injerto de cresta iliaca tricortical tallado a demanda del defecto. La liberación de partes blandas, como el periostio dorsal y el tendón del músculo braquiorradial, permite un alargamiento óseo adecuado, en un sólo tiempo quirúrgico.
Palabras clave: Epifisiodesis, radio distal, osteotomía.
[ DOWNLOAD ]

ActaActa Ortopédica Brasileira

•    A verdadeira fratura do colo do fêmur
The real fracture of femoral neck
CARLOS ROBERTO SCHWARTSMANN; GUSTAVO KAEMPF DE OLIVEIRA; RICARDO KAEMPF DE OLIVEIRA; LEONARDO CARBONERA BOSCHIN; FERNANDO CARLOS MOTHES; RICARDO CANQUERINI DA SILVA.
Cento e vinte e seis cabeças femorais retiradas durante artroplastias de quadril para tratamento de fraturas do colo do fêmur foram estudadas macroscopicamente e radiograficamente quanto ao traço de fratura e a existência de colo inferior que pode permanecer junto com a cabeça femoral. Chegou-se a conclusão que as fraturas do colo do fêmur obedecem a uma constância quanto ao traço de fratura, e que
não existe a fratura subcapital verdadeira, pois em todos os casos analisados havia um fragmento de colo junto com a cabeça (esporão).
Artigo realizado durante o período de residência em ortopedia na Santa Casa de Porto Alegre, sob a chefia e orientação do Dr. CARLOS SCHWARTSMANN, “A verdadeira fratura do colo do fêmur” fala sobre a freqüência das fraturas de colo fêmur com traço oblíquo.
[ DOWNLOAD ]

•    Osteopoiquilose: relato de caso e revisão da literatura
Alexandre David, Marco Aurélio Telöken, Gustavo Kaempf de Oliveira, Ricardo Kaempf de Oliveira
O s autores apresentam um caso de osteopoiquilose, doença óssea rara, benigna e geralmente diagnosticada pelas imagens características de exame radiológico realizado ao acaso. A importância do diagnóstico dessa patologia é diferenciá-la de doenças ósseas mais graves, o que os autores fazem através de uma revisão bibliográfica e relato do caso.
Descritores – Osteopoiquilose; Neoplasia óssea.
Artigo realizado durante o período de residência em ortopedia na Santa Casa de Porto Alegre, sob a orientação do Drs. Alexandre David, Marco Aurélio Telöken, “Osteopoiquilose: relato de caso e revisão da literatura” fala sobre essa rara doença óssea.
[ DOWNLOAD ]

Revista SBOT RSRevista Científica da SBOT-RS

•    Artroscopia e Osteotomia Extensora do Primeiro Metacarpo para Tratamento de Artrose Carpometacarpeana nos Estágios Iniciais.
Trapeziometacarpal Arthroscopy and Extension Osteotomy of the First Metacarpal for Treatment of Early Basal Joint Arthritis.
Ricardo Kaempf de Oliveira, Rafael Pegas Praetzel, Leohnard Roger Bayer, João Caron La Salvia
Trabalho Realizado no Complexo Hospitalar Santa Casa de Porto Alegre
e no Hospital Mãe de Deus, Porto Alegre, RS
Resumo:
Os autores apresentam uma técnica para o tratamento das fases inicias de rizartrose com a realização de artroscopia (sinovectomia e retensionamento ligamentar térmico) e posterior osteotomia extensora do primeiro metacarpo, para os pacientes com dor persistente e limitação funcional após falha no tratamento conservador um período mínimo de seis meses. Esse é um procedimento seguro e eficaz na solução e no controle das queixas dos pacientes. Necessita um acompanhamento á longo prazo para determinar se a melhora é definitiva e se o procedimento evita a progressão do processo degenerativo articular. Como desvantagem para o procedimento, se destaca a necessidade de material artroscópico de alto custo e a curva de aprendizado para a realização de artroscopia de pequena articulação.
Descritores: Polegar/patologia; Doenças músculo-esqueléticas/cirurgia; Osteoartrite; Artroscopia/utilização; Osteotomia/utilização.
Publicado na revista da Sociedade Gaúcha de Ortopedia esse foi o início do projeto do tratamento de rizartrose nas fases iniciais com osteotomia e artroscopia. Posteriormente esse trabalho foi publicado na sua íntegra na RBO.
[ DOWNLOAD ]

•    Associação da Fratura de Bennet e da Fratura do Trapézio: Relato de Dois Casos.
Simultaneous Bennett’s and Trapezium Fractures: A Report of Two Clinical Cases.
Ricardo Kaempf de Oliveira, Paulo Henrique Ruschel, Cristian Stein Borges, Marco Tonding Ferreira, Mário Arthur Rockenback Binz
Trabalho realizado no Serviço de Ortopedia e Traumatologia do Complexo Hospitalar Santa Casa de Porto Alegre.
Resumo
As fraturas da porção proximal do primeiro metacarpo, como a fratura de Bennett, são freqüentes, por isso são bem descritas pela literatura. Por outro lado, as fraturas do trapézio ocorrem em somente 3,5 à 5% das fraturas do carpo. Por ser o trauma axial com o polegar em extensão o mecanismo causador das fraturas da base do primeiro metacarpo e também do trapézio,
é de se esperar que conforme a severidade do trauma pode haver a associação destas fraturas. Esta força axial pode estenderse ao escafóide e ao processo estilóide do rádio. A associação de fratura de Bennett e de trapézio foi primeiro descrito por Kindl, em 1910. Após isso pouca atenção foi dada a esta patologia, tanto que em 1992 Radford descreveu um caso se referindo como o primeiro já relatado. Porém foi desmentido por McGuilanque, relatando que apesar da raridade existem quase dez casos descritos. A maior série reportada até agora foi de Garcia-Ellias,(1993) que relatou três casos enfatizando a necessidade da redução anatômica para a obtenção de bons resultados. A associação das fraturas Bennett e de trapézio deslocadas podem evoluir para um resultado ruim, com dor e perda da mobilidade do polegar, se não forem tratadas com redução e fixação interna. Esta fixação pode ser realizada com fios de Kirschner ou, mais recentemente, como no caso relatado, com parafusos de mini-fragmentos, conforme descrito por Crawford.
Descrevemos o tratamento e a evolução clínica de dois pacientes tratados com a associação de fratura de Bennett e do trapézio, sendo o primeiro fixado com mini-parafusos e o segundo com fios de Kirschner. Salientamos que com a redução anatômica e a sua rígida manutenção é possível haver uma mobilidade precoce, podendo ser esperado um ótimo resultado funcional.
Descritores: Traumatismos da mão/cirurgia; Traumatismos da mão/diagnóstico; Polegar
[ DOWNLOAD ]

RBORevista Brasileira de Ortopedia

•    “Luxatio erecta” do ombro: relato de dois casos clínicos*
GERALDO AYALA PEREIRA, RONALDO WILKE FREITAS, GUSTAVO KAEMPF DE OLIVEIRA, RICARDO KAEMPF DE OLIVEIRA, FERNANDO GRITSCH SANCHIS
Trabalho Realizado no Hospital Cristo Redentor e HPS de Porto Alegre, RS.
Resumo
Os autores apresentam dois casos de luxação ereta do ombro atendidos no Hospital Cristo Redentor, tratados através da redução incruenta após bloqueio anestésico seguido por imobilização toracobraquial (tipo Velpeau) por três semanas.
Unitermos – Luxação ereta; luxação do ombro
Artigo realizado durante o período de residência em ortopedia na Santa Casa de Porto Alegre, sob a orientação do Dr. GERALDO AYALA PEREIRA, ““Luxatio erecta” do ombro: relato de dois casos clínicos” fala sobre a freqüência e rara lesão do ombro.
[ DOWNLOAD ]

•    Paracoccidioidomicose óssea: relato de caso*
ALEXANDRE DAVID, MARCO AURÉLIO TELÖKEN, VILSON DALMINA, GUSTAVO KAEMPF DE OLIVEIRA, RICARDO KAEMPF DE OLIVEIRA
Resumo
Os autores apresentam um caso de paracoccidioidomicose óssea, localizada, acometendo o terço proximal do fêmur direito. O diagnóstico foi feito através da biópsia aberta e o tratamento inicial, por curetagem e enxertia de osso autólogo, associado ao uso de sulfadiazina 4g/dia. No quarto mês de pós-operatório, o paciente sofreu queda com conseqüente fratura patológica na região subtrocantérica do fêmur direito. Realizou-se a osteossíntese com
uma placa angulada de 95º. A consolidação evoluiu normalmente. O relato deve-se à raridade da apresentação.
Unitermos – Paracoccidioidomicose óssea; osteomielite fúngica; blastomicose sul-americana
Artigo realizado durante o período de residência em ortopedia na Santa Casa de Porto Alegre, sob a orientação dos Drs. ALEXANDRE DAVID, MARCO AURÉLIO TELÖKEN, “Paracoccidioidomicose óssea: relato de caso” fala sobre essa grave e rara doença óssea.
[ DOWNLOAD ]

•    Osteocondroma cervical: relato de caso*
SÉRGIO ZYLBERSZTEJN, ORLANDO RIGUESSO, LUCIANO RAMIRES, PAULO CÉSAR NERY, GUSTAVO KAEMPF DE OLIVEIRA, RICARDO KAEMPF DE OLIVEIRA.
* Trabalho realizado no Serviço de Ortopedia da Santa Casa de Porto Alegre (Prof. Dr. Mário Dirani).
Resumo
Os autores apresentam um caso raro de osteocondroma na região cervical em um paciente masculino de 57 anos de idade. A principal queixa era de dor progressiva e aumento de volume na região cervical anterior. A exérese cirúrgica foi necessária devido à sintomatologia. A excisão dessas lesões é recomendada pela literatura. O paciente atualmente está assintomático.
Unitermos – Tumor ósseo; osteocondroma cervical
Artigo realizado durante o período de residência em ortopedia na Santa Casa de Porto Alegre, sob a chefia e orientação dos Drs. SÉRGIO ZYLBERSZTEJN, ORLANDO RIGUESSO, “Osteocondroma cervical: relato de caso” fala sobre essa rara localização desse tumor ósseo.
[ DOWNLOAD ]

•    Lesão do plexo braquial após artroplastia total do quadril: relato de caso*
C.R. SCHWARTSMANN, G.K. OLIVEIRA, L.C. RAMIRES, P.C. NERY, A.G. GONÇALVES, R.K. OLIVEIRA, P.H. RUSCHEL
Realizado no Serviço de Ortopedia da Santa Casa de Porto Alegre(Prof. Dr. Mário Dirani).
Resumo
A posição adotada pelo paciente durante o ato operatório é de grande importância, principalmente em se tratando de cirurgias de longa duração e que necessitam de anestesia geral. Os autores relatam um caso raro de lesão
incompleta do plexo braquial em um paciente submetido a uma artroplastia total do quadril (ATQ) devido ao posicionamento inadequado do membro superior durante a cirurgia.
Unitermos – Artroplastia total do quadril; lesão do plexo braquial
Artigo realizado durante o período de residência em ortopedia na Santa Casa de Porto Alegre, sob a chefia e orientação do Dr. CARLOS SCHWARTSMANN, “Lesão do plexo braquial após artroplastia total do quadril: relato de caso” fala sobre essa infrequente complicação durante procedimento no quadril.
[ DOWNLOAD ]

•    Excisão de osteoma osteóide por trefina orientada pela tomografia computadorizada: Avaliação preliminar
ALEXANDRE DAVID, ALDEMAR ROBERTO RIOS, RICARDO P. TARRAGÔ, GUSTAVO KAEMPF DE OLIVEIRA, MARCELO MÂNICA GARZELLA, RICARDO KAEMPF DE OLIVEIRA.
Trabalho do Grupo de Tumores do Aparelho Locomotor, Serviço de Ortopedia da Irmandade Santa Casa de Misericordia de Porto Alegre, RS (Prof. Dr. Mário Dirani).
Os autores apresentam sua avaliação preliminar em nove pacientes com osteoma osteóide, tratados por ressecção com o uso de trefina orientada pela tomografia computadorizada. Reportam a baixa morbidade do método e o alto índice de cura da lesão, sem nenhuma recidiva nos casos assim tratados.
Unitermos – Tumor ósseo; osteoma osteóide; tomografia computadorizada.
Artigo realizado durante o período de residência em ortopedia na Santa Casa de Porto Alegre, sob a orientação do Dr. ALEXANDRE DAVID, “Excisão de osteoma osteóide por trefina orientada pela tomografia computadorizada” detalha a técnica do tratamento desse tumor ósseo com ressecção cirúrgica guiada por TC.
[ DOWNLOAD ]

•    Complicações urológicas pós-artroplastia total do quadril. Relato de três casos
CARLOS ROBERTO SCHWARTSMANN, RICARDO KAEMPF DE OLIVEIRA, RICARDO CANQUERINI DA SILVA
Complicações urológicas não são comumente encontradas nas cirurgias ortopédicas, principalmente nas artroplastias totais do quadril (ATQ). Quando elas ocorrem, as mais comuns são as infecções e as retenções urinárias. Entretanto, por serem de pouca gravidade e terem a sua terapêutica bem estabelecida, não nos causam maiores preocupações. Complicações de maior porte, como lesão dos órgãos pélvicos, são extremamente raras, mas quando ocorrem causam significativos aumentos dos índices de morbidade e mortalidade. Neste relato são apresentados três casos de graves complicações urológicas após artroplastias totais de quadril, realizadas no Complexo Hospitalar Santa Casa de Porto Alegre. Inexiste publicação similar na literatura nacional.
Trabalho realizado no Serviço de Ortopedia e Traumatologia do Complexo Hospitalar Santa Casa de Porto Alegre, RS.
Artigo realizado durante o período de residência em ortopedia na Santa Casa de Porto Alegre, sob a chefia e orientação do Dr. CARLOS SCHWARTSMANN, “Complicações urológicas pós-artroplastia total do quadril.” fala sobre essas graves e infrequentes complicações em ATQ.
[ DOWNLOAD ]

•    Fratura ipsilateral do fêmur durante a artroplastia total do quadril: revisão de 71 casos
CARLOS ROBERTO SCHWARTSMANN, MARCO AURÉLIO TELÖKEN, PAULO ARLEI LOMPA, RICARDO KAEMPF DE OLIVEIRA, LEONARDO CARBONERA BOSCHIN, GERSON SANTA CATHARINA, RICARDO CANQUERINI DA SILVA
De janeiro de 1984 até março de 1999, ocorreram 71 casos de fratura transoperatória do fêmur durante 4.500 artroplastias totais do quadril realizadas no Serviço de Ortopedia e Traumatologia da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre (SOT-SCM/POA). Todos os casos foram de artroplastias primárias, classificadas de acordo com Johansson. Vinte e oito pacientes eram homens e 43, mulheres. A mais freqüente indicação para artroplastia total do quadril foi a osteoartrite (63 casos). A média de idade foi de 58,6 anos. A ocorrência foi maior nas próteses não cimentadas (57 vezes) e, em 14 vezes, em próteses cimentadas. Na maioria dos casos, por se tratar de fraturas estáveis, a simples observação foi a conduta adotada (39 casos). Outros tipos de tratamento utilizados foram: uso de haste longa, cerclagem, placas e parafusos. Os melhores resultados foram obtidos quando a resolução foi feita no próprio ato cirúrgico em que ocorreu a fratura.
Unitermos – Prótese total do quadril; artroplastia total do quadril; complicações; fratura de fêmur
Trabalho realizado no Serviço de Ortopedia e Traumatologia do Complexo Hospitalar Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre/RS.
Artigo realizado durante o período de residência em ortopedia na Santa Casa de Porto Alegre, sob a chefia e orientação do Dr. CARLOS SCHWARTSMANN, “Fratura ipsilateral do fêmur durante a artroplastia total do quadril” fala sobre essa complicação que pode ocorrer durante o procedimento de ATQ.
[ DOWNLOAD ]

•    “Skip” metástase óssea: análise de três casos e revisão da literatura
Skip metastases in bone sarcoma: report on three cases and literature review
ALEXANDRE DAVID, ALDEMAR ROBERTO RIOS, RICARDO TARRAGÔ, RICARDO KAEMPF DE OLIVEIRA.
Pacientes portadores de tumores ósseos malignos primários de alto grau podem apresentar-se com skip metástase já no início da doença. A ressonância nuclear magnética tem-se revelado como o exame de imagem de escolha na detecção dessas lesões. O prognóstico tem sido ruim sistematicamente; contudo, casos isolados de sobreviventes têm sido relatados. Talvez o diagnóstico precoce pudesse ser o responsável por melhor resultado. Apesar de ser mais freqüentemente relatado em osteossarcomas, os autores descrevem o achado em três pacientes portadores de skip metástase decorrentes de diferentes sarcomas ósseos primários tratados nos últimos 15 anos no Serviço de Ortopedia e Traumatologia da Santa Casa de Porto Alegre (SOT-SCPA). Salienta-se a necessidade da realização de exames de imagens adequados, já que raramente tais lesões aparecem nas radiografias simples. Houve a sobrevivência de apenas um dos pacientes. O mau prognóstico pode estar relacionado à malignidade própria das metástases, ou devido à demora no encaminhamento, ou aos erros realizados no tratamento inicial dos sarcomas ósseos em serviços não especializados.
Unitermos – Tumores ósseos; metástase óssea; skip metástase
Trabalho realizado no Serviço de Ortopedia e Traumatologia do Complexo Hospitalar Santa Casa de Porto Alegre.
Artigo realizado durante o período de residência em ortopedia na Santa Casa de Porto Alegre, sob a orientação do Dr. ALEXANDRE DAVID, ““Skip” metástase óssea: análise de três casos e revisão da literatura
” fala sobre esse tipo de tumor secundário ósseo.
[ DOWNLOAD ]

•    Síndrome escafocapitato- The scaphocapitate syndrome
PAULO HENRIQUE RUSCHEL, RICARDO KAEMPF OLIVEIRA, MILTON PIGNATARO, CRISTIAN STEIN BORGES, RAFAEL PEGAS PRAETZEL, RAMIRO ZILLES GONÇALVES
Objetivo: Relatar a experiência obtida no trato de uma rara lesão traumática: a da síndrome escafocapitato (SEC), descrevendo seus tratamento e desfecho.
Métodos: Cinco pacientes foram tratados cirurgicamente no período de 1995 a 1999. Todos eram do sexo masculino, com média de idade de 29 anos. O seguimento pós-operatório médio foi de 38 meses.
Resultados: O tempo médio para consolidação foi de dois meses. A avaliação radiográfica final não revelou sinais de osteoartrose pós-traumática, instabilidade cárpica ou osteonecrose. Os resultados foram analisados segundo o escore da Clínica Mayo para lesões traumáticas do punho, que demonstrou um paciente com evolução excelente, três com evolução boa e um, ruim.
Conclusões: A SEC é uma entidade de rara ocorrência. O diagnóstico deve ser no primeiro atendimento, pois, se tardio, o resultado clínico e radiográfico será pior. A estabilidade obtida pela fixação rígida evita o aparecimento de artrose, consolidação viciosa e instabilidade do carpo.
Descritores – Ossos do carpo/ lesões; Traumatismos do punho/cirurgia;
Fixação de fratura; Estudos retrospectivos
Trabalho realizado no Serviço de Ortopedia e Traumatologia do Complexo Hospitalar Santa Casa de Porto Alegre (RS), Brasil.
[ DOWNLOAD ]

•    Emprego de placa de ângulo fixo no tratamento de fraturas com deslocamento dorsal da extremidade distal do radio.
Use of fixed-angle plate in the treatment of fractures with dorsal dislocation in the distal end of the radius
PAULO HENRIQUE RUSCHEL, RICARDO KAEMPF OLIVEIRA, MILTON BERNARDES PIGNATARO, CELSO RICARDO FOLBERG, RAFAEL PEGAS PRAETZEL, CRISTIAN STEIN BORGES.
Resumo
Objetivo: Avaliar os resultados radiológicos e funcionais no tratamento das fraturas instáveis do rádio distal com a utilização de uma placa volar de ângulo fixo tipo DVR (distal volar radius).
Métodos: Fraturas deslocadas instáveis intra ou extra-articulares do rádio distal em 57 pacientes, 23 homens e 34 mulheres com média de idade de 48,2 anos, foram fixadas através de acesso volar com placa volar de ângulo fixo e avaliadas com seguimento mínimo de um ano.
Resultados: Todos os casos evoluíram com consolidação óssea. Não houve casos de falência do material de síntese ou perda da redução e três pacientes apresentaram distrofia simpático-reflexa. O resultado funcional de 57 pacientes foi considerado excelente em 38, bom em 16 e ruim em três. A avaliação radiológica demonstrou 47 casos excelentes e 10 bons. Conclusão: A placa volar de ângulo fixo, tipo DVR, quando utilizada nas fraturas instáveis, intra ou extra-articulares do rádio distal, com deslocamento dorsal, apresenta excelentes resultados, podendo ser usada rotineiramente no tratamento dessas fraturas.
Descritores – Fraturas do rádio/cirurgia; Fixação de fratura/métodos
Trabalho realizado no Serviço de Ortopedia e Traumatologia do Complexo Hospitalar Santa Casa de Porto Alegre – Porto Alegre (RS), Brasil.
[ DOWNLOAD ]

•   Osteotomias Do Rádio Distal Com Uso De Placa Volar De Ângulo Fixo.
Osteotomy Of The Distal Radius Using A Fixed-angle Volar Plate.
Ricardo Kaempf de Oliveira, Mário Arthur Rockenbach Binz, Marco Tonding, Ferreira Paulo Henrique Ruschel, Pedro Delgado Serrano, Rafael Pêgas Praetzel.
Objetivo: A consolidação viciosa do rádio distal, por sequela de fratura, pode causar incapacidade funcional, levando o paciente a apresentar dor, perda de força e diminuição da mobilidade. Baseando-se nos excelentes resultados obtidos com o tratamento cirúrgico das fraturas instáveis do rádio distal com a utilização de abordagem volar e o uso de fixação rígida com a placa volar de ângulo fixo, começamos a utilizar o mesmo método para as osteotomias do rádio distal.
Método: Foi realizada uma revisão retrospectiva e encontrou-se 20 pacientes, no período de fevereiro de 2002 a outubro 2009. O tempo de acompanhamento médio foi de 43,9 meses (variando de 12-96 meses). A indicação cirúrgica foi de dor persistente, deformidade e limitação funcional após fratura de deslocamento dorsal.
Resultados: A deformidade média pré-operatória foi de 27º de inclinação dorsal do rádio distal, 87º de angulação ulnar e 7,3 milímetros de encurtamento do rádio. Todas as osteotomias consolidaram e a média final de angulação volar do rádio distal foi de 6,2º, com 69,3º de angulação ulnar e um milímetro de encurtamento. A mobilidade média do punho aumentou em 19,9º na flexão e em 24º na extensão. No antebraço, a supinação média aumentou em 23,5º e em 21,7º na pronação. A força do punho aumentou de 13,4 para 34,5 libras.
Conclusão: O uso da placa volar de ângulo fixo por abordagem volar para as osteotomias do rádio distal permite uma correção satisfatória das deformidades e elimina a necessidade de remoção do material de síntese por complicações nos tendões.
Descritores – Fratura de Colles/complicações; Osteotomia/ utilização; Fixação Interna de Fraturas
[ DOWNLOAD ]

•   Lesão factícia na mão.
Ricardo Kaempf de Oliveira, Leohnard Roger Bayer, Daniel Lauxen, Felipe Roth, Pedro Delgado Serrano e Paulo Henrique Ruschel.
Trabalho realizado no Serviço de Ortopedia do Complexo Hospitalar Santa Casa de Porto Alegre, RS, Brasil.
Objetivo: A presença de lesão com apresentação atípica, história clínica indefinida, que não melhora com tratamentos clássicos, deve colocar a equipe médica em alerta. Nesses casos, a hipótese de lesão factícia tem de ser levada em conta. Muitas vezes o diagnóstico correto na avaliação inicial pode evitar a realização de testes diagnósticos de alto custo, tratamentos desnecessários e desgaste da equipe médica. Por meio da apresentação de dois casos clássicos de lesão factícia na mão mostramos que, assim como descrito na literatura, tal patologia é de difícil diagnóstico e tratamento.
Palavras-chave: Comportamento autodestrutivo, Transtornos autoinduzidos/diagnóstico, Transtornos autoinduzidos/psicologia, Traumatismo da mão
[ DOWNLOAD ]

•   Artroscopia e osteotomia extensora do primeiro metacarpo para tratamento da rizartrose nos estágios iniciais.
Ricardo Kaempf de Oliveiraa, Rafael Pêgas Praetzel, Leohnard Roger Bayer, Pedro José Delgado.
Objetivo: Descrever a técnica e os resultados da artroscopia associada à osteotomia extensora do primeiro metacarpo para o tratamento da rizartrose em suas fases iniciais.
Métodos: Foram incluídos e analisados neste trabalho 14 pacientes submetidos à artroscopia e osteotomia extensora do primeiro metacarpo para o tratamento de rizartrose dos tipos I e II de Eaton, no período entre janeiro de 2004 a dezembro de 2009, com avaliação completa e mínimo de 60 meses de evolução pós-operatória. A indicação da técnica descrita foi de dor e incapacidade funcional há mais de seis meses, sem melhora com o tratamento conservador.
Resultados: A média de idade dos pacientes foi de 49,7 anos. A análise radiográfica no momento da cirurgia evidenciou que cinco pacientes apresentavam rizartrose tipo I de Eaton e nove, tipo II. Todas as osteotomias consolidaram, com uma média de 4,9 semanas. O tempo de seguimento médio entre a cirurgia e a avaliação final foi de 100,7 meses. Dois pacientes permaneceram com dor e foram submetidos à nova cirurgia. Dos 12 pacientes restantes, houve melhora dos sintomas em todos. A avaliação radiográfica final mostrou um bom alinhamento articular.
Conclusões: O uso de artroscopia e osteotomia no tratamento das fases iniciais da rizartrose mostrou-se eficaz, levando a resultados satisfatórios. Houve melhora da estabilidade articular e correção do posicionamento do metacarpo em relação ao trapézio. É uma cirurgia preservadora, minimamente invasiva, com baixa morbidade e que evita a progressão do processo degenerativo na maioria dos pacientes.
Palavras-chave: Polegar/patologia, Doenças musculoesqueléticas/cirurgia
Osteoartrite, Artroscopia/utilização, Trapézio/cirurgia, Osteotomia/utilização.
[ DOWNLOAD ]

RICMARevista Iberoamericana de Cirugía de la Mano

•   Resultados de la osteotomía correctora en el tratamiento de la consolidación en mala posición del radio distal.
P. J. Delgado, R. Kaempf de Oliveira
Trabalho realizado naUnidad de Cirugía de la Mano y del Miembro Superior. Hospital Universitario Madrid Montepríncipe, Universidad San Pablo CEU. Madrid, España e no Instituto da Mâo. Complexo Hospitalar de la Santa Casa y Hospital Mâe de Deus. Porto Alegre, RS, Brasil.
Resumen: Introducción y objetivos: Las fracturas del tercio distal del radio consolidadas en mala posición pueden generar limitaciones funcionales y estéticas. Valoramos los resultados clínico-laborales del tratamiento quirúrgico de la consolidación en mala posición del radio distal.
Material y método: Se revisan 23 pacientes con osteotomías extraarticulares del radio distal, con un seguimiento prospectivo medio de 27 meses (rango, 12-38). La edad media era 42 años (rango, 22-62). La mano izquierda fue intervenida en 12 casos (52%) y en 43% se trataba de la mano dominante. En 13 pacientes se realizó osteotomía de adición dorsal (57%) y en 10 pacientes volar (43%), en función de la deformidad ósea, a los 6 meses de media de la fractura. Se valoran: dolor según Escala Analógica Visual (EAV), rango de movilidad y parámetros radiológicos pre y postoperatorios, así como el cuestionario DASH y reincorporación laboral al final del seguimiento.
Resultados: Se obtuvo la consolidación completa en todos los casos. La EAV pasó de 7.7 a 2.5. El arco de flexo-extensión pasó de 90.6º a 127.7º y la rotación de 137.5º a 168º. En el estudio radiológico, el índice radiocubital distal pasó de +5.9 mm a +1.7 mm, la inclinación radial pasó de 17º a 24º y la báscula volar media fue 9,5º. Seis pacientes con osteotomías dorsales precisaron una reintervención. Las osteotomías dorsales presentaron más ganancia de movilidad y complicaciones que las volares. No hubo diferencias respecto a dolor, parámetros radiológicos y cuestionario DASH.
Conclusiones: Los resultados laborales, mejoría del dolor, parámetros radiológicos y calidad de vida obtenido con ambas técnicas de osteotomía es similar. La osteotomía dorsal presenta mejor arco de movilidad y la volar menos complicaciones y reintervenciones.
Palabras clave: Fractura, consolidación en mala posición, radio distal, osteotomía.
[ DOWNLOAD ]

•   Polidactilias del pulgar. Tratamiento quirúrgico.
R. Kaempf de Oliveira, S. Ribak e C. Irisarri
Resumen: Las polidactilias del pulgar, especialmente sus duplicaciones, constituyen una ano-malía de frecuente presentación. Sus variantes son múltiples, lo que nos obliga a conocer cuáles son las diferencias anatómicas más relevantes en cada tipo en particular. Han sido muchas sus clasificaciones, pero la propuesta por Wassel, basada en los hallazgos radiológicos, continúa siendo tan simple como práctica. Excepto en los casos más simples, su cirugía reconstructiva es difícil, y debe ser encomendada a cirujanos con experiencia. Aun así, en los casos complejos el resultado dista de ser la obtención de un pulgar «normal», incluso con la técnica de «resección y reconstrucción» que utilizamos y que describimos en el presente artículo. Con frecuencia el tratamiento de las polidactilias se considera como algo simple y banal, y su dificultad real sola-mente se hace patente con el resultado desastroso de la cirugía. Las complicaciones que pueden presentarse son diversas y, en un significativo número de casos, van a requerir posteriormente una nueva cirugía reconstructiva para mejorar el resultado funcional y/o estético.
Palabras clave: Pulgar; Duplicación; Polidactilia radial
Este es un artículo open Access.
[ DOWNLOAD ]

Revista SECOTSociedad Española de Cirugía Ortopédica y Traumatologia

•   Consolidación viciosa del radio distal: Osteotomía corretora de adición con placa volar de ángulo fijo.
Pedro J. Delgado Serrano, Ricardo Kaempf de Oliveira.
Trabalho realizado na Unidad de Cirugía de la Mano y del Miembro Superior,
Hospital Universitario Madrid Montepríncipe. Universidad San Pablo CEU. Madrid e no Instituto da Mão. Complexo Hospitalar de la Santa Casa y Hospital Mâe de Deus. Porto Alegre, RS. Brasil.
La consolidación en mala posición es la complicación más frecuente de las fracturas del radio distal, con una prevalencia entre el 5 y el 70% de los casos. Aproximadamente el 25% de las fracturas de la extremidad distal del radio tratadas conservadoramente presentan un desplazamiento secundario que altera la función normal de las articulaciones radiocarpiana y radiocubital distal. La necesidad de corrección de la deformidad en fracturas de la extremidad distal del radio con consolidación en mala posición sintomática no es un concepto nuevo ni reciente. No obstante, la técnica de referencia en los últimos años es la descrita por Diego L. Fernández en la década de los años ochenta1. Las indicaciones de la técnica son dolor moderado-grave, pérdida de movilidad, parámetros radiológicos no aceptables (pérdida de la inclinación del radio mayor de 20º en el plano sagital, 10º en el coronal, rotación de más de 10º y acortamiento superior a 4 mm), limitación funcional, pérdida de movilidad e incapacidad para retornar a su actividad laboral previa. Por su parte, las contraindicaciones serían escasa sintomatología, parámetros radiográfi cos de deformidad aceptables, inestabilidad mediocarpiana irreductible, cambios degenerativos avanzados, osteopenia importante y signos clínicos de síndrome doloroso regional complejo.
[ DOWNLOAD ]

HANDOfficial Journal of the American Association for Hand Surgery

•   Pediatric Trigger Finger due to Osteochondroma: A Report of Two Cases.
Ricardo Kaempf de Oliveira, Pedro J. Delgado and João Guilherme Brochado Geist.
Background: The trigger finger is characterized by the painful blocking of finger flexor tendons of the hand, while crossing the A1 pulley. It is a rare disease in children and, when present, is usually located in the thumb, and does not have any defined cause.
Methods: We report 2 pediatric trigger finger cases affecting the long digits of the hand that were caused by an osteochondroma located at the proximal phalanx. Both children held the diagnosis of juvenile multiple osteochondromatosis. They had presented at the initial visit with a painful finger blocking. Surgical approach was decided with wide regional exposure, as compared with the trigger finger traditional surgical techniques, with the opening of the A1 pulley and the initial portion of the A2 pulley, along with bone tumor resection.
Results: Patients evolved uneventfully, and recovered the affected finger motion.
Conclusion: It is important to highlight that pediatric trigger finger is a distinct ailment from the adult trigger finger, and also in children is important to differentiate whenever the disease either affects the thumb or the long fingers. A secondary cause shall be sought whenever the long fingers are affected by a trigger finger.
Keywords: trigger finger, pediatric, flexor tendon, bone tumor
[ DOWNLOAD ]

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
error: Content is protected !!