Doenças da Mão

Lesão-Tendão

Lesão de Tendão na Mão

Após um corte na mão o paciente deve procurar de imediato um hospital e o atendimento de um médico especializado.

A lesão de tendão na mão é possivelmente a que mais precisa de um processo de reabilitação adequado, o qual é tão importante quanto a própria cirurgia. Dentre os fatores que influenciam no tratamento de lesão de tendão na mão podemos citar idade do paciente, local da lesão, grau de contaminação, doenças associadas, lesões associadas, tempo de evolução da lesão, técnica da cirurgia e, como já referido, a reabilitação.

Como é a Anatomia dos Tendões na Mão?

Anatomia do tendão da mão

Na anatomia normal, os tendões são como longas cordas que conectam os músculos do antebraço com os ossos da mão. Nos dedos, os tendões passam por dentro de uma série de polias, que juntas formam túneis. As polias têm a função de segurar os tendões perto do osso, aumentando a força e diminuindo o gasto de energia.
Quando o dedo se move, o músculo se contrai e o tendão desliza. Esse movimento dos tendões é suave com pouco atrito. Tanto os tendões quanto as polias são recobertas por uma espécie de membrana, chamada de sinovial. Ela produz um líquido que diminui o atrito entre os tecidos, semelhante a um óleo lubrificante.

O que fazer após um corte na Mão?

Corte no tendão flexor da mão

Antes de procurar um hospital, deve-se limpar o ferimento e cobri-lo com um pano ou uma toalha limpa. Não se deve colocar garrote, cinto ou torniquete para diminuir a circulação local. Isso só aumenta lesão nos tecidos. Quando existe um sangramento considerável, se pode fazer um curativo compressivo no ferimento. Essa pressão fará com que pare de sangrar.  Não se deve clampear com pinça algum vaso que esteja sangrando. O pinçamento tornará impossível uma reconstrução cirúrgica.
Após um corte na mão o paciente deve procurar de imediato um hospital. Todo corte na mão tem que ser examinado de maneira urgente por um médico capacitado. Um ferimento aberto, mesmo um corte apenas na pele, tem um tempo hábil para ser fechado. Geralmente não se sutura um corte após seis horas de evolução, pois o risco de infecção aumenta.
Após um acidente, o paciente deve ficar sem comer e sem beber. Em caso de necessidade de cirurgia de urgência, a anestesia será mais segura se o paciente estiver em jejum.

Quais os fatores que influenciam no Resultado do Tratamento?

Teste do tendão flexor.

Verifique se o tendão foi rompido.

Vários fatores influenciam no tratamento de lesão de tendão na mão. Entre eles podemos citar idade do paciente, local da lesão, grau de contaminação, doenças associadas, lesões associadas, tempo de evolução da lesão, técnica da cirurgia e reabilitação.
Diz-se que o fator isolado mais importante para o resultado final no tratamento é a motivação do paciente. Não é a cirurgia, nem a fisioterapia, mas a participação ativa do paciente em todo o tratamento.
Existem fatores que influenciam negativamente no tratamento. Pacientes com alterações clínicas (como o diabetes) podem ter uma evolução pior, devido à dificuldade de cicatrização. Um longo período entre o corte e o tratamento, a associação com lesão de outros tecidos, como a perda de pele, lesão de nervos e fratura, também afetam negativamente no resultado. O local do corte também influencia. Cortes na base dos dedos, onde os dois tendões se encontram dentro de um único e apertado túnel, tem um risco maior de complicações, como aderências e rupturas.
A lesão tendinosa na mão é uma das raras lesões em que as crianças têm um resultado pior do que os adultos. Isso se deve a dificuldade de cooperação na reabilitação.

Como é Feita a Cirurgia de Tendão da Mão?

Incisões para cirurgia de tendão da mão.

Incisões na Cirurgia de tendão flexor.

O procedimento cirúrgico é realizado com anestesia regional (no braço) e pode ser dado um sedativo tranquilizante. É utilizado um garrote no braço, para evitar sangramento no local da cirurgia. Depois do procedimento o paciente permanece um pequeno período na sala de recuperação anestésica e após vai para o quarto, ficando no hospital por um período médio de 24 horas.
Na cirurgia é realizada uma incisão que acompanha o ferimento prévio, geralmente com a forma de “Z”. Após, é feita a aproximação dos tendões lesados e é realizada a sutura. Essa é feita com fios de diferentes espessuras. A sutura interna é mais grossa para dar mais resistência. Já a mais superficial é mais fina para dar mais homogeneidade e suavidade às bordas do tendão, permitindo um movimento suave e sem atrito nas polias.

Sutura da cirurgia.

Sutura na cirurgia de tendão da mão.

Como se Tratam as Lesões Crônicas?

Até três semanas após o acidente se pode a tratar a ruptura do tendão, sem maiores problemas, da mesma forma que nas lesões agudas.
Após esse período, o tendão se retrai e encurta, e não se consegue mais trazê-lo para a sua posição original. Além disso, os túneis por onde os tendões passam se fecham, impedindo o deslizamento necessário.
Nessas lesões crônicas a reconstrução deve ser realizada em duas etapas. Na primeira etapa se coloca um espaçador de silicone no local do tendão e se reconstrói o sistema de polias. Depois de um período de quatro a seis meses, em um novo procedimento, substitui-se o espaçador de silicone por um enxerto de tendão.

Como é depois da cirurgia?

Imobilização com tala removível após a cirurgia.

Imobilização com tala removível.

Imobilização após cirurgia de tendão flexor.

Imobilização após a cirurgia.

Após a cirurgia o paciente é imobilizado com uma tala gessada.
Ela permite a movimentação do cotovelo e impede a movimentação das pontas dos dedos, deixando imobilizadas as articulações em que o tendão lesado age. Mesmo com a colocação da tala gessada é permitido e recomendado ao paciente manter a mão para cima para não inchar os dedos.
Após a cirurgia o paciente é encaminhado para a fisioterapia. Lá ele entra em um protocolo de reabilitação e a tala de gesso fixa é substituída por uma tala de plástico termo moldável removível.
Ela poderá ser removida para a realização da fisioterapia e, quando colocada, permite um pequeno grau de mobilidade. A quantidade de movimento permitida depende do tipo da lesão e o tipo de cirurgia realizada.

 
 

Como é a fisioterapia após a Cirurgia?

Provavelmente em nenhuma outra lesão na mão a reabilitação é tão importante quanto nas lesões de tendões flexores. É considerada tão importante quanto a própria cirurgia.
No passado se pensava que a cicatrização do tendão dependia do repouso. Essa imobilização levava a resultados desastrosos com formação de cicatriz e aderências, impossibilitando o movimento.
Pesquisas recentes mostraram que a movimentação estimula a cicatrização do tendão e evita a formação de aderências, melhorando a função final.
A regra da reabilitação é ter um equilíbrio entre não forçar o tendão excessivamente para evitar a ruptura da sutura e não imobilizar em demasia, evitando aderências.
Nesse período de reabilitação não se pode dobrar o dedo com força ou esticar o dedo fora da tala.
Durante as sessões de fisioterapia o ferimento será tratado com massagem da cicatriz com creme hidratante. Isso diminui o edema e o risco de possíveis aderências dos tecidos locais. Serão realizados exercícios para estimular a cicatrização do tendão e recuperar a mobilidade.  Numa fase tardia serão feitos exercícios com ganho de força.
A cicatrização e a resistência completa do tendão ocorrem com oito semanas de sutura, e até esse período não de pode fazer qualquer movimento brusco. O resultado final, de potência e mobilidade, é observado com seis meses de evolução. É importante que o paciente lembre que esse ganho será progressivo.

Quais são as Possíveis Complicações?

Após o corte e a lesão tendinosa, sem o tratamento cirúrgico adequado, fica impossível a recuperação da mobilidade do dedo. A sequela será permanente.
Mesmo com o tratamento adequado ainda há um risco moderado de complicações. Em pacientes tratados em centros especializados em cirurgia de mão, o risco de o tendão aderir e necessitar uma segunda cirurgia pode chegar a 40%. Já o risco de ruptura do tendão após a cirurgia é de 15%. Assim a chance de um segundo procedimento após o tratamento inicial é considerável.
Mesmo com sintomas iniciais de aderência, não se indica cirurgia de liberação do tendão antes dos quatro meses de tratamento. Nesse período a cicatriz ainda não está madura e devem-se liberar as aderências com técnicas de fisioterapia.

E como é o Tratamento nos Tendões Extensores dos Dedos da Mão?

Cirurgia de tendão flexor da mão.

Cirurgia de lesão do tendão flexor da mão.

De uma maneira geral, as lesões dos tendões extensores são tratadas da mesma forma que os flexores.
Porém, ao contrário dos tendões flexores, os extensores não passam através de túneis na mão, somente no punho. Também têm uma mobilidade menor. Essas particularidades anatômicas facilitam o tratamento na sua ruptura, melhorando os resultados e diminuindo o período de reabilitação e o risco de complicações.

Dr. Ricardo Kaempf de Oliveira
CREMERS 23655

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
error: Content is protected !!